19 de maio de 2011

a menina que mijou no pé de flor.

Nunca mais escrevi aqui...

Assim volto, como quem volta pra algum lugar depois de muito tempo, o suficiente pra chegar e ver tudo aqui um pouco vazio, como casa que ninguém entra há muito... pouca visita minha e portanto dos outros também... Aí é engraçado escrever, pois sei que provavelmente eu seja a única que vá ler...

Mas é como cumprir a fase de um ritual.

ComeçoMeioFimComeçoMeioFimComeçoMeioFimComeçoMeioFim.

Pra algo começar sempre tem algo que acaba?

O que me motivou a criar esse espaço, ao menos o que consigo captar, foi um emaranhado, emaranhado de intenções e sensações, vontade de voltar a escrever sem preocupações, assim palavras extensão-corpo, palavras extensão-sonho, deixar que elas tomem a frente.

Engraçado que elas tomaram em muitos momentos, muitos, em outros eram as imagens-extensão, em outros precisava de palavras alheias-minhas que me lessem, em outros me via na rotina (esses eram momentos em que não deixava as palavras e imagens tomarem a frente).

Aí ao mesmo tempo veio àquela historinha antiga que eu criei um dia...

Uma historinha de uma menina que um dia viu aquele brotinho no lugar onde havia mijado e ai decidiu que, no meio daquele sertão queria ver o broto crescer, lhe dar sombra boa pra descansar e exercitar a preguiça, as idéias, o cuidado e talvez alguma proteção em torno daquela terra de sertão.

Pois foi aí que lhe veio a idéia de dia-a-dia mijar novamente e no único açude se abastecia de água e voltava pra aguar, depois da tarefa cumprida ficava por ali em volto do broto, criando brincadeiras em torno daquela amizade.

Passa dia.

Passam dias...

Passam meses...

O brotinho teimava em seguir pequeno.

Certo dia foi que a menina entristeceu-se der cansaço, cansaço de esperar. Esperou amanhecer e foi então ao encontro da plantinha e se desaguou a chorar...

De tanto desaguar adormeceu... Passou lua, passou sol. E quando acordou se deu com um susto: a danada havia crescido.

Parou em frente a ela, olhou, olhou, admirou-se com o prodígio do acontecimento, ficou ali lhe observando por horas...

Até que atinou com uma sensação rara e inesperada. Ela tambpem havia crescido e aquela sobrinha que antes lhe parecia grande, agora já não lhe cabia.

Talvez o mundo acolá lhe coubesse, talvez ela mesma carregasse pra si algumas sombras que lhe garantiam aconchego...

Deste modo despediu-se e foi talvez conhecer a cidade que lhe dizia haver depois da estrada, talvez fosse ver se existia esse tal de mar, não sabia muito além de que havia mais além daquele broto... mas foi.

.

No sertão nordestino são comuns histórias como da roseira que nasceu onde a menina mijou ou de Zé Cagão (um tipo de conto de fadas cearense que minha vó contava pras netas).

Cresci ouvindo estas e outras histórias algumas imaginadas e outras vividas na familia. Daí tal dia veio me esta e escrevi. Não está escrita do mesmo modo...

Fui apenas relembrando pra deixar neste baú.

Foi por essas histórias que dei esse nome ao blog... E somente no fim escrevo o porquê do nome: a menina que mijou no pé de flor.

6 comentários:

Paul Brasil (Paul Constantinides) disse...

sem duvida uma bela fábula...e q viva sempre na sua memória e q vc sempre a reescreva...lindamente como tal esta agora.
abs
paul

ps...eu li :-)

Pérola disse...

Eu puxei um banquinho e sentei aqui contigo. Tem café no bule e bolo quentinho. Bora prosear que dessa cunversa eu gosto muito!
Beijo menina!

fernanda disse...

:)
Bom receber vocês em casa!
Beijos queridos!

Polly disse...

ô Fê, vim animada porque havia nova postagem e leio a tua despedida, gosto disso não!..

Você tem um jeito tão especial de escrever, de tocar, de transportar, com simplicidade, sinceridade e muita critividade. Palavras que brotam, e pra mim sempre foram flores brotando.

Bonita fábula, pena que veio pra selar esse fim...Vou sentir falta...
Tudo de bom pra tu, então, é o que posso te desejar! Beijinho, flor!

Polly disse...

...só pra constar: eu tb já tive essa mesma vontade, vendo às vezes um eco reverberando lá no meu espacinho, tão desabitado em certos momentos... mas, ainda vou persistindo... Só pra dizer que entendo o que vc colocou aqui!

=*

fernanda disse...

Ô Polly, que bom ler sua mensagem...

Deu aconcheguinho bom e até pensei um segundinho "vou num vou" rs.

E pensando agora acho que é um tchau pra reencontrar depois, como quando saimos de casa para viajar sem bem saber como e quando voltamos, mas que de certo na volta haverão muitas histórias na mala.

Então talvez seja um até mais,
Beijão flor